sexta-feira, 17 de outubro de 2014

CONTAÇÃO DE HISTÓRIA 4ª PARTE- CONTOS DE FADA E O UNIVERSO INFANTIL

Contos de Fadas e o Universo Infantil

Conto popular
É um dos mais antigos gêneros literários que existem na tradição oral. Têm como características marcantes: tempo e espaço indefinidos; a disputa entre fortes e fracos, ricos e pobres; a vitória do bem sobre o mal. Pode ser subdividido em:
Contos de fadas: histórias que tem como personagens reis, rainhas, príncipes, princesas, pessoas simples que passam por terríveis situações, na maioria das vezes causadas por seres sobrenaturais, como bruxas, ogros, gigantes, etc., e que só podem ser salvos com a ajuda de objetos mágicos ou de outros seres não menos sobrenaturais, como fadas, magos e anões. No final, o bem sempre vence o mal. Dão ênfase às questões espirituais, éticas e existenciais. Têm por objetivo a realização interior do ser humano. Estes contos chegaram até nós graças a algumas pessoas que sempre acreditaram na importância deles. Os mais conhecidos pesquisadores, coletores e escritores de contos de fadas são: Charles Perroult (este francês coletou, adaptou e organizou as histórias num livro intitulado como “Contos da mãe gansa”, onde estão contos como “o gato de botas” e “o pequeno polegar” ), Irmãos Grimm (estes alemães coletaram e organizaram histórias que recolhiam em suas viagens pela Alemanha. As mais conhecidas são: Branca de Neve e os Sete Anões, João e Maria e Chapeuzinho Vermelho) e Hans Christian Andersen ( Dinamarquês que escreveu a maioria de suas histórias, como: o Patinho Feio, A sereiazinha e A pequena Vendedora de Fósforos).
Contos maravilhosos: são histórias sem a presença de fadas. Desenvolvem também num ambiente mágico ( animais, gênios, plantas, objetos mágicos, ogros e duendes). Enfatizam a parte material, sensorial e ética do ser humano. Têm por objetivo a realização do herói ou da heroína mediante conquista de tesouros e outros bens materiais.
Contos de repetição: são histórias que determinado incidente se repete sem necessariamente se acumular com a situação anterior.
Contos acumulativos: são histórias em que as frases se repetem acumulando as situações, tornando o conto longo e quase sem fim.
Contos de animais: são histórias de animais que agem e vivem como seres humanos.
Contos etiológicos: são histórias que foram inventadas para explicar alguma situação, característica e personalidade de qualquer natureza.
Contos de adivinhação e suspense: são histórias em que a vitória do herói ou da heroína depende da solução de uma adivinhação, de um enigma, de uma charada, da decifração da origem de certos objetos ou da tradução de gestos.
Contos de exemplo: são histórias que possuem um exemplo a ser seguido.
Contos religiosos: são histórias com a intervenção divina.
Contos de humor: são histórias alegres, onde o herói ou a heroína são geralmente tolos, ingênuos, muito humildes e passam por situações absurdas,engraçadas. Geralmente saem vitoriosos no final.
Medo, como um dos contos de Grimm traduzido por Ana Maria Machado, “O homem que saiu em busca do medo” (está no volume Chapeuzinho Vermelho e outros contos de Grimm). Este conto mostra a história de um rapaz que quer aprender a se arrepiar e para isso ele enfrenta monstros, fantasmas, mortos, mas não consegue se arrepiar... Depois das mais tenebrosas e incansáveis tentativas ele descobre que só sente arrepios se alguém lhe fizer cócegas..... (mostrando que o que pode provocar medo é diferente para cada um, às vezes o que pode nos causar muito medo, nem faça cócegas em outra pessoa).
Os medos estão presentes no nosso dia a dia, medo de escuro, medo de injeção, medo de cachorro, lobisomem, de ladrão, de dentista, de vampiros, de levar cascudo, de ser reprovado na escola. Temores reais ou imaginários, relacionados à escola, temor dos mais fortes do grupo e do próprio ridículo... Medos que todos convivemos e sentimos, uns numa intensidade outros noutra, um de um jeito outro de outro, o importante é aprendermos a enfrentar, a desviar, superar, a substituir, com os quais nós aprendemos a conviver e a lidar durante a vida. Neste conto há muito que trabalhar com as crianças, ao ouvi-las podemos identificar os seus medos e trabalhar com elas para que possam aprender a se desviar dele ou substituí-lo por outro que possa lidar.

Grimm
Na Alemanha no século XVIII, foram os irmãos Grimm, – Jacob (1785-1863) e Wilhelm (1786-1859) - linguistas e folcloristas, por 13 anos colecionaram histórias recolhidas da tradição oral, esperando caracterizar o que havia de mais típico no espírito alemão. Publicaram um primeiro volume em 1812, que continha o que recolheram em Hessen, nos distritos de Meno e Kinzing, do condado de Hanau, onde nasceram. O segundo volume foi concluído em 1814. A maior parte das lendas do segundo volume foi-lhes contada pela senhora Viedhmaennin, uma camponesa oriunda da aldeia de Niedezwehn, perto de Kassel. Jacob era o mais intelectualizado dos irmãos, mas Wilhelm era quem detinha o entusiasmo e inspiração da poesia; juntos chegaram a editar 210 histórias, a maior parte delas encontrada nos dois volumes originais. São deles as estórias: Pele de Urso, A Bela e a Fera, A Gata Borralheira e João e Maria(PAVONI, 1989).

Hans Christian ANDERSEN (1805-1875)
De nacionalidade dinamarquesa, seu pai era sapateiro e sua mãe lavadeira. Sua vida foi como seus contos de fadas onde meninos e meninas pobres passam por horríveis humilhações e, como por magia, chegam a experimentar situações maravilhosas. Obteve fama pelo seu trabalho ainda em vida. O romantismo da época, com seu entusiasmo pelas tradições e lendas populares, provocou a aparição de amplo repertório de contos, onde o lirismo se alterna com o grotesco, e o encanto oferece faces dramáticas. Pela emoção, fantasia e lirismo de seus Contos, Andersen tem encantado várias gerações de crianças e adultos. Antes de falar sobre o Amor decidimos colocar um pouco sobre a biografia do autor do conto “O soldadinho de chumbo”, escrito por Andersen extraído do livro Contos de Andersen. Rio de Janeiro, ed. Paz e Terra, p. 152,que nos mostrará através de sua história cheia de fantasias a trajetória de um soldadinho apaixonado.
A história conta que o soldadinho de brinquedo, com seu fuzil ao ombro se apaixona por uma pequena, linda e delicada bailarina que mora num belo castelo de papel (os dois juntos com os outros brinquedos vivem em um canto da casa...). Depois de ter sido posto num barco de papel pelos meninos, ter navegado quase se afogado, ter sido comido por um peixe,volta para casa; é quando um dos garotos, num gesto, o joga na lareira, onde o soldadinho se derrete olhando a suave bailarina que, num único passo, voa também para dentro da fogueira...
“O soldadinho então se derreteu, transformando-se numa bolinha de chumbo, e quando, no dia seguinte, a criada tirou as cinzas, viu que a bolinha tinha a forma de um coraçãozinho de chumbo. Da bailarina só restava a lantejoula queimada, preta como carvão. “ Meio que fez queimar também o coração do leitor sentir que a morte do amado pode levar ao suicídio a amada que, dessa relação de encantamento mútuo, feita através de olhares, fica um símbolo forte e indestrutível: a marca do sentimento.”(ABRAMOVICH,1997,p.126)

Nenhum comentário:

Postar um comentário