sexta-feira, 17 de outubro de 2014

CONTAÇÃO DE HISTÓRIA 3ª PARTE- A RELEVÂNCIA DAS HISTÓRIAS INFANTIS PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA DO MATERNAL

A relevância das histórias infantis para o desenvolvimento da criança do maternal

Segundo as autoras Marisa Lajolo e Regina Zilberman em sua obra Literatura Infantil Brasileira, as primeiras obras publicadas visando ao público infantil apareceram no mercado livreiro na primeira metade do século XVIII. Antes disto, apenas durante o classicismo francês, no século XVII, foram escritas histórias que vieram a ser englobadas como literatura também apropriada à infância: as Fábulas, de La Fontaine, editadas entre 1668 e 1694, As aventuras de Telêmaco, de Fénelon, lançadas postumamente, em 1717, e os Contos da mamãe Gansa, cujo título original era Histórias ou narrativas do tempo passado com moralidades, que Charles Perrault publicou em 1697. Perrault foi o primeiro escritor que literarizou uma produção até este momento de natureza popular e circulação oral, sendo os contos de fadas a principal literatura infantil. Além do sucesso dos contos de fadas deste autor somou-se também as adaptações de Robinson Crusoé (1719), de Daniel Defoe, e Viagens de Gulliver (1726) de Jonathan Swift, autores que asseguraram a assiduidade de criação e consumo de obras.
contacao3
No século XIX os irmãos Grimm, em 1812, editam a coleção de contos de fadas que, dado êxito obtido, converte-se, de certo modo, em sinônimo de literatura para crianças. Essas obras se definem como as que mais agradam o público infantil, por obter em suas principais linhas de ação em primeiro lugar, a predilação por histórias fantásticas, modelo adotado por Hans Christian Andersen, nos seus Contos (1833), Lewis Carrol, em Alice no país das maravilhas (1863), Collodi, em Pinóquio (1883), e James Barrie, em Peter Pan(1911), entre os mais célebres.
No Brasil em 1808, inicia-se a atividade editorial, com a implantação da Imprensa Régia, a partir disso começam a publicar livros para as crianças: a tradução de As aventuras pasmosas do Barão de Munkausen e, em 1818, a coleção de José Saturnino da Costa Pereira, Leitura para meninos, neste período as publicações eram esporádicas e só em 1848, editaram Aventuras do Barão de Münchhausen, agora com a chancela da Lammert, e, portanto não se caracterizou uma produção literária regular para infância.
As primeiras obras foram traduzidas e adaptadas de várias histórias européias, que circulavam, muitas vezes em edições portuguesas, que dificultava a leitura das crianças brasileiras, pois não apresentavam sequer a cumplicidade do idioma. Nessa época o famoso Figueiredo Pimentel, cronista do jornal Gazeta de Notícias, inaugura a coleção Biblioteca Infantil Quaresma que, ao longo dos vários títulos, vai fazendo circular entre a infância brasileira, as velhas histórias de Perrault, Grimm e Andersen.
A partir de 1915 a editora Melhoramentos inaugura sua Biblioteca Infantil que, sob a direção do educador Arnaldo de Oliveira Barreto, publica como primeiro volume de sua coleção O patinho feio de Andersen.
Segundo as concepções brunerianas apresentada pela pesquisadora Tizuko; Bruner (1986; 1996) valoriza as histórias infantis, do gênero contos defadas, por sua estrutura do tipo binário, de situações opostas, típicas do processo de categorização. A narrativa como categorização exige discriminar diferentes coisas como equivalentes, agrupar objetos, eventos e povos em classes (Bruner; Goodnow; Austin, 1956, p.1).Tizuko Kishimoto escreve em sua pesquisa sobre as narrativas infantis binárias, que são aquelas que destacam conceitos como bruxa boa e má, morar perto e longe, caixa grande e pequena, que todas estas concepções evidenciam a estrutura típica do pensamento infantil, e elas que auxiliam no processo de categorização que as crianças utilizam em situações cotidianas para representar o mundo a sua volta (Educação e Pesquisa, São Paulo, v.33, n.3.p.427-444, set/dez. 2007).
Partindo deste pressuposto podemos afirmar então que as crianças utilizam as situações vividas em cada história para tentar compreender o mundo a sua volta. Os pequenos ainda não compreendem que isto está acontecendo, mas nós os adultos podemos através da observação perceber a utilidade prática que as histórias infantis podem trazer para os alunos dentro da sala de aula, um exemplo claro disto seria: o desenvolvimento da oralidade e a ampliação do conhecimento de mundo que a própria criança começa a demonstrar através da fala e de suas ações. Nós educadores então não podemos fechar os olhos diante de uma prática tão importante e envolvente como o momento da contação de histórias. Devemos utilizar este meio para tornar as aulas mais prazerosas e significativas para os alunos no maternal, lembrando sempre que a busca e utilização de práticas que respeitam a especificidade da criança sempre trarão resultados positivos, contudo não podemos nos descuidar do momento em que vamos escolher o volume a ser usado e também o modo como vamos encaminhar a atividade.
A apreciação de Bruner pelos contos de fadas se dá justamente por este processo de categorização que ele traz, pois a categorização possibilita a aprendizagem, pois identifica objetos do mundo e reduz a complexidade do ambiente, mas requer motivos postos pelas crianças e estratégias para sua finalização, isto quer dizer que o início de tudo partirá da própria criança. Nesse momento o adulto servirá como um andaime para que essa criança possa aprender sendo ela mesma a protagonizadora desse processo. Desse modo a aprendizagem se dará por uma descoberta que depende da criança e do apoio do adulto, esta então seria a concepção de aprendizagem por descoberta elaborada por Jerome Seymour Bruner, mas para isto alguns aspectos são imprescindíveis, como por exemplo, um espaço que favoreça a iniciativa da criança, o protagonismo, a aprendizagem e expressão do conhecimento.
Como Bruner, a professora Fanny Abramovichformada pela USP também escreveu em seu livro "Literatura Infantil, gostosuras e bobices" sobre a importância dos contos de fada para a formação de qualquer criança, pois ouvir muitas histórias escutá-las é o inicio da aprendizagem para ser um bom leitor, e segue afirmando ainda que ser leitor é ter um caminho absolutamente infinito de descoberta e compreensão do mundo (ABRAMOVICH, 1997, p. 16).
Ler histórias então é um meio significativo para se trabalhar com as crianças, porque elas estão carregadas de emoções como medo tristeza, raiva, alegria, espanto, pavor, insegurança, tranquilidade, saudade e lembranças suscitando assim o imaginário de cada criança. Portanto ao ouvir histórias a criança pode ter as suas curiosidades respondidas e conseguir encontrar outras ideias para resolver questões (como os personagens da história fizeram). É uma possibilidade imensa de descobrir outros lugares, outros tempos, outra cultura...
A autora Vera Teixeira de Aguiar, em posfácio da coleção Era uma vez (contos de Grimm), edição para as crianças, que também foi citada por Fanny em seu livro "Literatura Infantil gostosuras e bobices", também descreve sobre a estrutura dos contos de fadas, ela afirma que este gênero é muito rico para trabalhar com o público infantil, porque parte de um problema vinculado à realidade (como estado de penúria, carência afetiva, conflitos) que desequilibra a tranquilidade inicial. O desenvolvimento é uma busca de soluções para estes problemas, no plano da fantasia, com a introdução de elementos mágicos (fadas, bruxas,anões, duendes, gigantes, reis, princesas, rainhas, príncipes etc). A restauração da ordem acontece no desfecho da narrativa, quando há uma volta ao real. Os contos de fadas com esta estrutura fixa permitem aos autores, de um lado aceitar o potencial imaginário infantil, de outro, transmitem à criança a ideia de que ela não pode viver indefinidamente no mundo da fantasia, sendo necessário assumir o real no momento certo.
Os contos de fadas são tão ricos que têm se tornado fonte de estudo de muitos profissionais nos dias de hoje, psicanalistas, sociólogos, antropólogos, psicólogos, cada um vem dando a sua interpretação de maneira aprofundada de acordo com o seu eixo de interesse. Entre eles aparece Bruno Bettelheim que é um destes estudiosos. Ele alerta sobre o equívoco enorme que podemos cometer no momento que tentamos explicar para uma criança porque um conto de fada é tão cativante para ela, isto pode destruir, acima de tudo o encantamento pela história, e este encantamento só acontece pelo fato da criança não saber absolutamente porque está maravilhada.
“Se abrirmos o jogo e acabarmos decodificando a história para criança, esta história então perderá o seu potencial de ajudá-la a lutar sozinha e dominar exclusivamente por si só o problema que fez a história estimulante para ela”. Todas ou quaisquer interpretações adultas por mais corretas que sejam, roubam da criança a possibilidade de sentir que ela mesma possa ter através de repetidas audições e de pensar muito a respeito da história. É importante que ela consiga enfrentar com êxito esta situação difícil, é muito importante para a criança. Todos nós crescemos, encontramos sentido na vida e em nós mesmos, por termos entendido ou resolvido problemas pessoais e não por eles nos terem sido explicados por outras pessoas.
É fundamental para o desenvolvimento infantil que a criança descubra sozinha como resolver problemas e descobrir-se como uma pessoa capaz de conhecer e aprender, é imprescindível para a sua formação humana dentro de uma sociedade cheia de desafios e problemas a serem resolvidos. Segundo Bettelheim, educador e terapeuta de crianças gravemente perturbadas, quanto mais tentamos entender a razão destas histórias (os contos de fadas) terem tanto êxito no enriquecimento da vida interior da criança, tanto mais podemos perceber que estes contos, num sentido bem mais profundo do que os outros tipos de leitura, começam onde a criança realmente se encontra no seu ser psicológico e emocional. Falam de suas pressões internas graves de um modo que ela inconscientemente compreende e sem menosprezar as lutas interiores mais sérias que o crescimento pressupõe, oferecem exemplos tanto de soluções temporárias quanto permanentes para dificuldades prementes.
Os contos de fada transmitem a criança de forma múltipla: que uma luta contra dificuldades graves na vida é inevitável e é parte intrínseca da existência humana, mas que se a pessoa não se intimida mais se defronta de modo firme com as opressões inesperadas e muitas vezes injustas, ela dominará todos os obstáculos e, ao fim emergirá vitoriosa. (BETTELHEIM, 1980, P.14) Para ele os contos de fadas são enriquecedores e satisfatórios para as crianças, pois através deles pode-se aprender mais sobre os problemas interiores dos seres humanos e sobre as soluções corretas para os seus problemas.
Desta forma os contos de fadas propõem desde bem cedo para a criança uma forma de ir se familiarizando com esta estrutura social na qual está crescendo e se desenvolvendo, isto se este momento não for deturpado por um adulto que vê a criança como um ser incapaz de entender por si só a narrativa ao seu tempo. Este alerta é muito importante para nós educadores refletirmos sobre como estamos fazendo este momento de contação de histórias na sala de aula? Será que temos roubado esta possibilidade apontada pelo psicanalista Bruno Bettelheim, de deixar que as crianças por si só descubram o porquê do encantamento pela história? Se isto estiver acontecendo sabemos que precisamos nos auto-avaliar para que no futuro essas crianças não venham a se tornar pessoas dependentes sempre de outros para saber o que fazer ou qual atitude tomar na vida diante de seus problemas pessoais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário